Logo Aporias do conceito de vontade em Santo Agostinho Ícone

Aporias do conceito de vontade em Santo Agostinho

Grátis para testar
0 Bytes
Funciona em: Android
Adicionado em : 29/08/2019 Editora Viseu LTDA - ME
Baixar Download Seguro
Verificado com Antivírus

O que estão falando…

Já usou? Avalie! +0 Avaliações - Seja o primeiro a avaliar o produto!

Descrição

Alana Schmidt
43-61. - RICOEUR, Paul. As aporias da experiência do tempo: o livro XI das Confissões de Santo Agostinho, in: Tempo e Narrativa. ... Disponível em: http:// www.pensamientopenal.com.ar/system/files/2014/12/doctrina38821.pdf, pp. 211- 233.
O tema da liberdade da vontade em Santo Agostinho apresenta uma série de aporias de não fácil solução. Analisa-se nesta obras duas aporias percebidas por Paul Ricoeur na sua interpretação do conceito de pecado original em Agostinho. A primeira, diz respeito à sua contextualização no âmbito da busca de uma explicação causal para a origem do mal, o que faz com que a argumentação, para não proceder a um retrocesso ad infinitum, termine sempre numa causa necessária, o que é contrário à essência da própria liberdade, que supõe a contingência (a possibilidade de que o que esteja em questão aconteça ou não, dependendo da escolha livre). As várias tentativas empreendidas por Agostinho para chegar a uma explicação causal para a liberdade da vontade acabam se mostrando todas inconsistentes, de maneira a terminar numa espécie de insatisfação e incompreensibilidade, o que parece estar vinculado ao próprio registro conceitual equivocado: o da explicação conceitual pela busca da causa. A segunda aporia, diz respeito ao contexto jurídico em que o tema da liberdade da vontade é abordado. É sempre com relação a uma lei que a liberdade da vontade humana se situa, seja ela a lei eterna a partir de onde a liberdade se origina e se define, seja a lei interna inscrita na própria criação (especialmente na criatura racional, dotada de inteligência e vontade), seja a lei positiva diante da qual ela é obrigada a se posicionar, e perante a qual se mostra insuficiente para o seu cumprimento sem a ajuda da graça. A aporia, neste caso, se põe de manifesto da seguinte forma: como conciliar o dever e o normativo, inerente ao que é mandado por Deus, com uma faculdade que se identifica essencialmente como sendo livre, com capacidade para se autodeterminar sem que nada se lhe imponha de fora?

Prós & Contras

Prós

  • Não encontramos pontos positivos.

Contras

  • Não encontramos pontos negativos.

Interesse ao longo do tempo

Compartilhe essa página

Avaliações sobre o Aporias do conceito de vontade em Santo Agostinho

  • {{comentario.nome}} {{comentario.data}}
    {{comentario.nota}}
    Nota {{comentario.notaExtenso}}!
    Editar Avaliação